126 Comentários

  1. Elaine Cristina Bertazi

    Sábias palavras, Ana! Parabéns e obrigada por ser tão MARA e eu também não odeio a Pugli. Bju sua linda.

    Responder
  2. Marina

    Oi, Ana, tudo bem?
    Então, li tudo e posso dizer que discordo de muitas coisas que você disse. Concordo sim que, muitas vezes, a gente continua se rivalizando e nos virando umas contra as outras, mas isso não é um reflexo do feminismo, mas sim do machismo. Ainda que a gente se desconstrua e lute contra o patriarcado e o machismo todos os dias, na maioria das vezes, ainda sobra um resquício dele em nós. Mas acredito que com um processo de desconstrução constante a gente vai conseguindo se livrar dessas amarras.
    Outra coisa, é MUITO complicado você rotular que um dos motivos para falar da Pugliesi é inveja. Isso é você supor que ser loira, magra e namorar um cara X é o sonho de toda mulher e, cá entre nós, não é mesmo.
    Por fim, você usou exemplos muito específicos de pessoas criticando celebridades e, na verdade, a gente nem sabe em qual nível de desconstrução essas pessoas estão e se sequer se consideram feministas. A visão que eu tenho, como feminista, é muito diferente da sua. Citando os casos mais recentes, tanto da Pugliesi com a questão das nudes, quanto o texto machista e racista da Fernanda, a maioria das reações que eu vi, são bastante contrárias às que você citou. Eu vi mulheres identificando os problemas de cada fala, apontando os erros, mostrando onde cada uma delas errou e foi machista, racista e etc. Mas a maioria das reações que vi não foram de acabar com nenhuma delas. Pelo contrário, em um texto muito bom que a Clara Averbuck fez sobre o negócio das nudes, ela mesma diz que a Pugliesi não é só algoz, mas vítima também. Vítima porque ela também está sujeita aos mesmos padrões impostos que eu, você, minhas amigas e a Fernanda também estão. Mas, ainda que sejam vítimas, elas também são algozes, porque usam disso pra perpetuar certas prisões. E isso precisa sim ser apontado. Não é questão de acabar, xingar e bater em nenhuma dessas mulheres. Mas sim de exigir delas que abram os seus olhos para todas as pessoas que elas oprimem a partir do discurso que proferem. E, pra mim, não tem nada de errado nisso. Às vezes, caso você conheça essas mesmas referências feministas das quais eu te falei, você consiga ver um pouco como eu. Beijos (e sororidade sempre).

    Responder
    1. Débora

      Oi Marina,

      O fato é que o texto não está apontando ou defendendo ninguém, mas sim dizendo que TODOS (homem ou mulher), PODE E DEVE ser o que quiser (e deveriam respeitar o próximo)!!! Se quiser ser magra ou gorda, cabelo liso ou enrolado, a profissão que bem escolher, não abaixar a cabeça pra homem, sociedade ou qualquer dificuldade.
      A questão vai mais além, muito mais.
      A blogueira dita tendência para quem está interessado, você não é obrigada a estar lá.
      A atriz faz a novela e você não é obrigada a assistir.
      Você pode e deve se aceitar gorda, desde que sua saúde esteja muito bem.

      Entende, que tudo é motivo pra falatório?
      Tanto das pessoas (perdendo seu precioso tempo), quanto dos jornalistas (ok, é a profissão e ganha pão deles – está ali porque eu/você/nós lemos).
      A Ana K. mesmo diz, é rotulada amarela, do cabelo não assumido, gorda, deficiente e sem namorado. E ela simplesmente SE ACEITA, ela escolheu SER QUEM QUISER!!!

      A questão toda no texto é somente uma: SEJA QUEM VOCÊ QUISER!
      Faça o que te faz feliz, o que acha que é certo, não olhe pro lado desejando o do próximo, segue seu caminho, faz por onde merecer o que almeja.

      Ela citou a família inteira de mulheres todas batalhadoras, alguma delas olhou para a grama do vizinho? Não!!! Simplesmente seguiram seu caminho acreditando e lutando pelo que achavam certo. 😉

      Beijos

      Responder
    2. Ana K.

      Oi Marina. Obrigada por ler e comentar aqui. Sua opinião é muito clara e segura, fico feliz por você.
      Respondi para Flavia mais em cima um pouco do que vou te dizer.
      Escrevi este texto com muita segurança do que eu estou falando.
      Sou contra o extremismo, não contra o feminismo. Temos que ter muito cuidado ao dizer que as mulheres não podem querer ser magras, isso é contra a luta feminista ou cabelo de mulheres negras tem que ser cacheado, elas precisam se aceitar, se não…
      Esse “se não” também aprisiona, não podemos lutar contra padrões criando novos padrões. É complicado generaliza, sim é? Mas teria de fazer um artigo para cada uma de vocês se não fosse assim. 1 para quem tem invejam/1 para quem ofende/ 1 para quem opina sem saber do que está falando/ 1 para quem entende do assunto.
      Essa suposição que você diz é sua? Por que definitivamente não é minha, mas isso é ótimo. Afinal eu escrevo com base no que penso, você lê e tira conclusões com base no seu pensamento, isso é muito importante e gera um debate válido e rico.

      De fato há algumas lutas no movimento feminista que não compreendo, porque não vivi e também não opino sobre elas, procurei falar apenas de minhas experiências. Eu sei que vocês nunca saberão como é viver sem parte de sua perna, eu não vou cobrar isso de vocês e nem me revoltar porque um dos nosso elementos focloricos mais famosos é um amputado “O Saci”, há quem chame de preconceito, há quem chame de inclusão, há quem chame de licença poética. Para mim é só um personagem do folclore, mas eu sei que não me ofendo porque sou segura de mim e é essa segurança que quero que todas tenham.
      Minha defesa é pelo fim do extremismo e da hipocrisia.
      E se colocássemos nossa energia em coisas importantes como: pressionar a polícia a resolver casos de violência, pressionar os governos a não esconder essas estatísticas, pressionar a mídia a falar sobre isso abertamente, já imaginou?
      O que me preocupa é que um movimento que nasceu lutando por coisas tão importantes esteja caminhando para debates em torno do corpo enquanto as causas importante estão lá esquecidas, está tudo sendo desconstruído inclusive os conceitos de liberdade de ser o que quiser.
      Você fala em sororidade, palavra do vocabulário feminista, eu falo em coerência.
      É claro que sou feminista, quando digo que não quero fazer parte “disso”, estou falando desse conceito maluco que foca em corpos, opiniões, cabelos e celebridades ao invés de buscar a resolução de questões realmente urgentes.

      Responder
    3. Camila

      Concordo plenamente. Sei que a intenção foi boa, mas ela foi um pouco infeliz em algumas frases assimilando o feminismo por causa de atitudes de pessoas x ou y na internet, que nem feministas devem ser.
      O feminismo é um movimento necessário, grande e por isso, existem as mais variadas facetas, como as radicais, essas que não me representam.
      Mas sou feminista sim. e esse texto também denota que a autora é feminista. só precisamos não generalizar a luta de um movimento por causa de pessoas e pessoas.

      Responder
      1. Camila

        E a propósito Ana, você é empoderada e tem uma história incrível. Todo sucesso pra você!

        Responder
      2. Ana K.

        Oi Camila,
        Obrigada por ler e comentar aqui.
        Veja o que respondi para Marina acima. Esclareci essa associação “infeliz” de feminismo real x virtual.
        Beijos

        Responder
  3. Clarisse Gurgel

    Anaa, parabeens pelo texto! Gostei muuuito
    Você foi muito feliz em tudo. Parabens novamentee! Precisamos de mais mulheres bem resolvidas igual a voce!
    Bjaao

    Responder
    1. Ana K.

      Clarisse,
      Obrigada por ler e por me deixar essas palavras tão motivadoras.
      Beijos

      Responder
  4. Gabriela Santiago

    Anã, concordo que as pessoas tem que saber discutir, talvez dar um toque, se acham construtivo e não atacar os outros. Mas acho que esse ataque não é culpa do feminismo e sim da falta de tato das pessoas. Algumas estão tão “sofridas” que descontam nas outras e/ou não sabem respeitar os outros.Cada um tem seu jeito de lutar pela causa feminista, concordo contigo que nos agredindo não é a melhor maneira.
    Abraços!

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Gabriela,
      É verdade o sofrimento pode nos endurecer e nos deixar sempre preparados para o ataque, mas falo por experiência própria precisamos crescer com o sofrimento que passamos e não tentar achar culpados para atacar. Precisamos superar, para motivar outros a superarem também.
      Obrigada por ler e comentar.
      Beijo

      Responder
  5. Amanda Martins

    Eu me arrepiei com muitas frases do texto. O único comentário que tenho a fazer é GRATIDÃO. Gratidão 1) Por transpor em palavras o que eu digo a todos e a mim todo dia e sempre que posso. Gratidão 2) Por me dizer coisas que eu sei e estou trabalhando em mim. Gratidão 3) Por me dizer coisas que eu via, mas não enxergava.
    “Os bons têm a permissão de Deus para chegar a qualquer lugar e trabalhar suas influências para o bem, já os maus não a tem, para que não atrapalhem essa missão” (livro dos espíritos)
    Obrigada por essa mente brilhante
    Por essa percepção maravilhosa
    Essa habilidade de comunicação e articulação de argumentos.

    Responder

    1. Maravilhoso seu comentário!!! E Ana suas palavras são sábias e verdadeiras, concordo em número, gênero e grau. Parabéns!!!!!!!

      Responder
    2. Ana K.

      Amanda,
      Menina pra que me emocionar desse jeito. Eu que sou grata por ter sido usada para te tocar dessa maneira e te fazer florescer e brilhar mais e mais.
      Obrigada por vir aqui me dizer tudo. Seja grande, poderosa, seja tudo que puder e depois ache outras coisa para ser mais.
      Beijos

      Responder
  6. Gabrielly Liberato

    AMEEEEIIII, a Pugli é MARAAAAAA!
    É sempre bom encontrarmos alguém que pensa como nós, entende que falar mal dos outros é raso demais pro mar de imensidão que alguém pode ser, mais uma vez amei, e vou começar te acompanhar 😉❤

    Responder
    1. Ana K.

      Gabrielly,
      Obrigada
      Hoje tenho que agradecer pela vida da Pugli, ela me trouxe tantas pessoas maravilhosas.
      Bem – vinda.
      Beijos

      Responder
  7. Luli

    Eu admirei e concordo com tudo que você disse aí em cima, mas preciso te contar uma coisa: você é sim feminista! Tudo o que você disse se encaixa perfeitamente na definição dessa palavra. Feminismo é um movimento que busca igualdade entre homens e mulheres… Acontece que hoje em dia muita gente que tem visões diferentes sobre o movimento e acaba criando esses tabus que não deveriam existir. Feminismo é sobre conquistar liberdade pra mulher poder escolher se quer ser cacheada ou lisa, magra ou gorda, se quer trabalhar ou ser dona de casa… É sobre quebrar regrar e não criar mais regras ainda. E miga deixa eu te conta, um dos princípios do feminismo é uma coisa chamada SORORIDADE, que significa basicamente mulheres apoiando outras mulheres. Somos todas amigas e irmãs e devemos nos unir em prol a nossa luta e não ficar umas contra as outras. Essa gente que só critica, ao invés de empoderar não é feminista não. Acredito que uma missão importante do feminismo hoje seja explicar para as mulheres o que é o feminismo e como ele pode ser bom pra elas, para que se perca esse medo de se dizer feminista por achar que significa algo que não é. Você é muito mais feminista do que toda essa gente que se diz feminista e critica a Pugli e a Anitta… Mas se você não quer se “assumir” feminista, não tem problema não, por que nenhuma mulher (e nem ninguém) deve ser obrigada a fazer algo que não se sente nem fazendo, viu? 🙂
    E parabéns pelo texto, arrazou.

    Responder
    1. Ana K.

      Luli,
      Miga obrigada, que sutil e poderoso seu comentário.
      É claro que sou feminista, quando digo que não quero fazer parte, estou falando desse conceito maluco que foca em corpos, opiniões, cabelos e celebridades ao invés de buscar a resolução de questões realmente urgentes.
      Como você é esclarecida, orgulho de ter você aqui.
      Vamos conversar mais por e-mail (anakelly@bloganak.com.br)
      Beijos

      Responder
    1. Ana K.

      Beca,
      Obrigada.
      Sensacional também você ter dedicado um tempinho pra comentar.
      Beijos

      Responder
  8. Paulo

    Belo texto. Traz uma bela reflexão. Sua foto na praia me atraiu, confesso. Não achei gorda. Aliás, este é o único ponto no texto que discordo. Bell Pesce deveria te conhecer. Opinião e empreendedorismo. Que encontro seria. Sobre estar solteira, podemos conversar sobre isso kkk
    Beijos e continue escrevendo

    Responder
    1. Ana K.

      Paulo,
      Cuidado rapaz. rsrsrs
      Obrigada pelo comentário, sabe que eu já tirei uma foto com a Bel no Day 1 da Endeavor, mas aquela época nem tinha o blog ainda. Bater um papo com ela seria surreal mesmo.
      Beijos

      Responder
  9. Danielle buava

    Ana, parabéns pelo texto! Incrível, precisamos mais de pessoas assim, como você.
    Com toda a certeza, se 1/3 das pessoas no mundo tivessem esse tipo de pensamento e informação e deixassem a ignorância de lado, sem dúvida alguma, viveríamos em um mundo mais justo, onde as pessoas não se preocupariam tanto em criticar uns aos outros. E nem ser aquilo o que não são.
    Mais uma vez parabéns pelo texto! E pelo blog também!

    Responder
  10. Flavia faccin

    Miga.
    vou tentar explicar aqui pq eu não concordo com algumas coisas que você disse. Meu objetivo é só tentar “abrir seus olhos” um pouco mais, para algumas coisas que você pode não ter pensado.

    Eu gosto da pugli, sim! Sigo ela no snap e acho mara real! Mas infelizmente eu não a vejo como uma pessoa desconstruída. Pode ser por falta de contaro com feminismo ou pelo jeito que ela vive. Mas ela não seria uma pessoa que eu recomendaria “seguir” pelos principios. Sobre a situação da foto de nude, o buraco é muito embaixo, mas muito mesmo. Ao combinar com uma amiga que se você sair da dieta ela pode postar sua foto, voce automaticamente conclui que é uma aposta, e ao perdê-la voce deve “pagar” com a foto. O que tambem faz concluir que a foto é algo de se envergonhar, algo negativo, que nunca deveria ser mostrado. E nem irei comentar sobre exposicão que é postar um ~nude~. Mas a situacao é essa. Brincadeira ou não, nossos corpos não devem ser motivo de vergonha e nem de pagar apostas, entende? Isso vai para o lado oposto que o feminismo luta, que é a aceitacao de seu corpo como ele é.
    Muita gente acha que gostar de corpo magro é OPINIAO, cabelo liso etc. Não posso julgá-la no seu caso, mas meu cabelo é enrolado e mesmo feminista, ainda não consegui desconstruir isso e deixa-lo livre da quimica. Mas eu sei que isso nao eh minha opiniao. Sei que se hoje eu nao consigo deixar meu cabelo natural, é pq fui ensinada desde pequena que enrolado não é legal, e sim o liso. Que cabelo enrolado é “ruim”. Isso não é minha opiniao, é uma construcao social e o corpo magro tambem.
    A gabi, querendo ou nao, insiste nesse corpo, nessa vida onde para ser saudavel eu necessariamente preciso ser feliz. E muitas meninas -muitas mesmo – que hoje tem 10 ate seus 18 anos de idade olham para a gabriela e se frustam, pois seu corpo nunca chegara lá, as vezes pela formacao de seus corpos, biologia, etc. Eu mesma, que aprendo a cada dia me amar e amar meu corpo, me odeio cada vez que vejo um snap da barriga da gabi. E não é culpa dela!! É da sociedade. Mas, ao insistir em algo tao raso quanto “saiu da dieta ela pode mandar sua foto, essa foto do seu corpo cheio de celulite de uma mulher com um peso normal e saudável, mas nada comparado ao -ideal-” ela piora a situacao de milhares e milhares de mulheres. E muita mina já cansou disso!
    Acho que a palavra que voce procura é sororidade – amar a proxima como sua irma, defender a proxima como familia, etc – pode até se encaixar, mas te digo que mulher que esculaxa Gabi, anitta e etc, nao é feminismo. Feminismo é defender nos mesmas, mas tambem saber apontar os erros de nos mesmas. O feminismo comeca na descontrucao da nossas amigas e proximas!
    Concordo que existem muitas meninas que nao medem palavras paara tentar explicar ou problematizar algo, mas é pq muitas ja estao cansadaa das situacoes, e te garanto que o objetivo é sempre desconstruir! Quem fala mal, quem esculacha, nao entendeu o movimento.
    Mas nao diga que voce nao é feminista!!! Nós somos mulheres, hoje so votamos, so podemos sair para trabalhar e fazer muito do que fazemos pela luta do movimento!
    Eu não odeio homens, porem sou branca, classe media e nunca sofri abuso. muita feminista odeia homem e tem razao, pois já foi estuprada, assediada, violentada e nao aguenta ter que ouvir groselia de boca de macho. Eu sou feminista, mas meu feminismo é muito diferente do feminismo da negra da comunidade, e eu a respeito e nao opino na sua fala. Acredito que isso é algo que nos aprendemos com o tempo, mas q a gente tem que entender que nossa verdade nao é a unica e muita mulher sofreu coisas que a gente nunca sofrera. É como explicar para um homem que ele nunca vai sente o medo de passar numa rua, ver um grupo de homens e atravessar por conta disso, sabe? Dentro do feminismo ainda tem varias vertebtes que nao temos como opinar.
    Mas ele é um movimentk maravilhoso sim, mana!
    Espero que isso tenha mudado sua opiniao um pouco, me empolguei.

    Bjos! ❤️ Muita luta para nos!

    Responder
    1. Giselle Carine

      Não quero criar nenhuma má discussão, mas me pergunto: feminismo é uma pessoa aceitar o corpo e a forma de viver com ela bem entender, certo? Como alguém já disse aqui, é quebrar regras e não cria – las. Por isso aceitar meu corpo não significa que queira expor meu corpo, então se uma amiga faz uma brincadeira de que vai expor meus nudes não significa só uma brincadeira? Não significa que se calhar não gostaria de fazer nudes só por ter o direito a escolher meu estilo de vida? Assim como há quem goste e não tenha problemas em fazer? Não gosto de ser gorda e estou bem acima do peso pelos meus problemas de saúde. E olhar pra barriga da Pugliesi não me dá raiva! Pq sou feliz apesar de não estar contente com meu corpo, ela é só um incentivo. E me incentiva mesmo eu não querendo chegar ao corpo como o dela, pq não é meu biotipo e pq gosto de mim diferente. E mesmo assim ela é um incentivo. Só acho que ela gosta de ser magra, como a quem goste de ser cheinha, como há quem goste de enrolar ou alisar o cabelo.

      Responder
      1. Ana K.

        Oi Giselle,
        Muito sensato seu comentário, obrigada por dividir com a gente.
        Como é importante entender que cada individuo tem seus valores que são adquiridos ao longo de uma vida em contato com várias pessoas e realidades diferentes, e que embora esses valores possam ser mudados, isso não significa que o que é bom para mim é bom para todos os outros e foi exatamente isso que você disse.
        Obrigada de novo.
        Beijo

        Responder
    2. Ana K.

      Flavia, migaaaa.
      Vamos lá.
      Escrevi este texto com muita segurança do que eu estou falando. Todas essas mulheres de que você menciona, eu as conheço de perto, me encaixo inclusive em algumas descrições. Se você olhar a minha foto na praia ai no post, vai ver que tenho uma bunda grande, sinceramente você acha que nenhum “macho me falou groselia”?
      Como eu disse tenho uma irmã de 5 anos, ela tem um maravilhoso cabelo cacheado, que não vamos alisar e nem incentiva-la a fazer. Mas para o meu rosto eu prefiro meu cabelo como está, eu não gosto em mim. É como tatugem, há quem ame e quem não ame.
      Você diz que não podemos ter vergonha de nossos corpos e também diz que é horrível ter um “nude” exposto, onde está o horror se não temos vergonha?
      Não desejo ficar magra, não tenho bio tipo para isso, quero ficar saudável e isso passa pela academia e pela alimentação. Não lhe é estranho criticar a industria da beleza por ditar padrões e não criticar a industria alimentícia por nos envenenar?
      Se a barriga da Pugliesi te faz mal, penso que o problema esteja em você, tem algo aí que você precisa rever, e se te faz mesmo mal te aconselho a parar de segui-la, procure alguém que te faça se sentir incrível.
      As meninas de 10 a 18 anos estão descobrindo a vida, valores e formando conceitos, elas só vão se sentir mal vendo a Gabi se nós continuarmos a insistir que ela é um padrão de beleza inatingível, que prega os valores errados e atrapalha a luta feminina. Se por outro lado, esquecermos a Gabi e voltarmos nossa atenção para dizer para essas meninas que elas tem nas mãos os poder de serem incríveis, já imaginou a revolução que elas fariam no mundo?
      De fato há algumas lutas no movimento feminista que não compreendo, porque não vivi e também não opino sobre elas, procurei falar apenas de minhas experiências. Eu sei que vocês nunca saberão como é viver sem parte de sua perna, eu não vou cobrar isso de vocês e nem me revoltar porque um dos nosso elementos focloricos mais famosos é um amputado “O Saci”, há quem chame de preconceito, há quem chame de inclusão, há quem chame de licença poética. Para mim é só um personagem do folclore, mas eu sei que não me ofendo porque sou segura de mim e é essa segurança que todas deveriam ter.
      Minha defesa é pelo fim do extremismo e da hipocrisia.
      E se colocássemos nossa energia em coisas importantes como: pressionar a polícia a resolver casos de violência, pressionar os governos a não esconder essas estatísticas, pressionar a mídia a falar sobre isso abertamente, já imaginou?
      O que me preocupa é que um movimento que nasceu lutando por coisas tão importantes esteja caminhando para debates em torno do corpo enquanto as causas importante estão lá esquecidas, está tudo sendo desconstruído inclusive os conceitos de liberdade de ser o que quiser.
      Você fala em sororidade, palavra do vocabulário feminista, eu falo em coerência.
      Beijos

      Responder
  11. cinthia

    Parabéns pelo texto. Estou chocada com a clareza da sua opinião, sua sinceridade; sua inteligência , menina! Obrigada por existir! Que você seja extremamente “famosa” ( porque eu quero que todas as pessoas tenham acesso ao que você tem a dizer, ao que sai da sua cabeça! ). Parabéns!!!!

    Responder
    1. Ana K.

      Cinthia,
      Obrigada você por existir.
      Amém, que minha cabeça possa produzir conteúdo digno de vocês.
      Beijo

      Responder
  12. Maria Clara Naves

    Fiquei sabendo da sua postagem no snap da Pugli, e fiquei curiosa. E assim como ela, fiquei maravilhada com o post e com você.
    Então só posso te dar os parabéns pela sua força e visão. Precisamos de mais mulheres pensando assim. É com exemplos como o seu que podemos chegar a uma sociedade melhor, mais justa e menos preconceituosa.
    Fico pensando como é que essas feministas, no caso as que agem da maneira descrita, querem que tenhamos direitos iguais aos homens se nem nós mesmas nos respeitamos. Não será atacando alguém que vamos chegar ao que almejamos.
    A sociedade está muito extremista e cada vez menos tolerante. Precisamos parar e pensar onde queremos chegar. Se cada pessoa que ataca a Gabi parasse por um minuto para pensar o que ela realmente quer passar, o mundo não estaria assim.
    Vejo nela, e em outras mulheres maravilhosas, o amor, a paz, a tolerância, o carisma, a felicidade, a calma, a força, a inteligência, a sensatez e vários outros valores e qualidades que todas mulheres deveriam ter. Ou ao menos se policiar para ter.
    Eu não odeio a Pugli, a Anitta, a Fernanda Torres, e nem outras mulheres que não tem medo de dizer o que pensam e de serem quem são. Que não tem ódio no coração, e exalam felicidade e energia positiva.
    Sejam mais leves mulheres, para que o nosso mundo seja mais leve. Seja como uma rosa, que sabe ser delicada, majestosa, adorada e contemplada, mas que sabe se defender do que não lhe faz bem. Seja uma mulher guerreira, que não se rende aos esteriótipos da sociedade, mas que não ofende quem pensa diferente. Seja uma mulher de exemplo a se seguir, seja uma mulher que faz a diferença!
    Ame, elogie, diga bom dia, boa tarde, boa noite. Um muito obrigada, por favor. Respeite para que seja respeitada.
    Siga bons exemplos, seja bom exemplo e alcançaremos um mundo melhor, com menos desigualdades sexuais, mais amor, menos violência.
    Sejam mais leves, como uma pluma!!!
    Que tal começar agora?!

    Mais uma vez te parabenizo Anak, e te desejo tudo de melhor. Que seu exemplo seja seguido e disseminado por onde quer que vc chegue. Beijos!!!

    Responder
    1. Ana K.

      Maria Clara,
      O que posso te dizer?
      Você é incrível e me deixou sem palavras.
      Muito obrigada por vir aqui ler e comentar esse texto, que bom que ele chegou até você, que bom que você segue a Pugli no Snap. Porque você é maravilhosa e as meninas que estão entrando aqui, também merecem ler seu comentário.
      Mais uma vez obrigada.
      Beijo

      Responder
  13. Paula

    Falou o que eu sempre pensei. Não precisa ter fanatismo por ninguem, mas pra que atacar pessoas que teoricamente ‘não te interessam’, não fazem parte da sua vida e nem dos assuntos que você gosta?
    As pessoas hoje seguem quem elas “odeiam” só pra distribuir ódio gratuito.
    A gente combate as coisas é indo atrás de fazer melhor, de informar e não fazendo mutirão pra criticar.

    Ótimo texto, muito bem escrito!

    Responder
    1. Ana K.

      Ana Julia,
      Você tem o nome da minha irmã, ou seja, é MARA!
      Obrigada. Beijo

      Responder
  14. Carla Ferracuti Fanti

    Ual! Parabéns!
    Me identifiquei muito com o seu texto Ana!
    A realidade é que muitas pessoas possuem a necessidade de criticar ( digo criticas devastadoras ) pessoas como a Gabriela Pugliesi.
    Digo, pessoas como ela pois entendo que a Pugli é uma mulher de opnião, bem resolvida, que é quem é sem medo e mais, que esta sempre divulgando coisas positivas e motivadoras.
    Agora onde tem mal nisso eu já não sei.
    Enfim, adorei muito seu texto, pois ressta muito bem a mente confusa, tantas pessoas que falam sobre o Feminismo de forma limitada, e auo usam ele para apredejar mulheres de opnião. Vai entender, pensei que esse era isso que tantas mulheres defendiam!
    Muito obrigada por compartilhar um pouquinho dos seus valores!

    Responder
    1. Ana K.

      Carla,
      Obrigada por vir aqui.
      Por comentar e dividir comigo o que você pensa.
      Fico muito feliz que você se identificou.
      Beijo

      Responder
  15. Marcela

    Poderia usar varios elogios para esse texto, porém o que melhor se encaixa é MARAVILHOSO. Não tem outra palavra que descreva tão bem. Falou tudo e um pouco mais.

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Marcela,
      Obrigada por ler e fazer esse cometário tão carinhoso.
      Beijo

      Responder
  16. Andressa Gregio

    É exatamente como penso. Seu texto é lindo, motivador e esclarecedor.
    Dentro de tantas explicações, ainda sim terá gente para criticar, mas qndo a gente coloca nossa opinião, felizmente (ou às vezes infelizmente) entremos em discussões saudáveis (ou inglórias).
    Obrigada pelo texto e por dizer algo que muita gente sentia, sem ter que levantar a bandeira do feminismo ou machismo, sendo apenas vc, com identidade e personalidade E PONTO!
    Adorei!
    Sucesso querida!
    Bjs

    Responder
    1. Ana K.

      Andressa,
      Obrigada, muito obrigada mesmo.
      Que bom saber que muita gente sente isso.
      Opiniões virão para enriquecer e conto com vocês para esclarecer esse pensamento.
      Beijo

      Responder
  17. Paula Oly

    Há muito tempo,bastante tempo,não lia algo tão inteligente. Aplausos.
    Nos delicie cada vez mais com essa fonte infinita di inteligência . Ótimo!

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Paula,
      Obrigada.
      Que responsabilidade heim.
      Pode deixar que vou tentar não decepcionar vocês.
      Beijo

      Responder
  18. Cláudia

    Cheguei no seu blog através do snap da Pugli – mais um ponto pra ela que me injeta ânimo pra me cuidar sempre que vejo seus vídeos. Não, eu não sou “fitness” nem nada do gênero! Tenho quase 40 anos, trabalho 8 horas por dia além das mais milhões de atividades extras que faço para complementar a renda, estou bem acima do meu peso, dois filhos adolescentes, casada, graduada e pós-graduada… e amo a Pugliese. Tenho buscado me alimentar melhor, fazer exercícios e me amar mais me cuidando mais.
    Me identifiquei muito com vários trechos do seu texto (nem te conto o quanto!) e me preparo no momento para ler outros textos seus. Mais um ponto pra Pugli mesmo!

    Responder
    1. Ana K.

      Claudia,
      Ponto pra Pugli por trazer você aqui. Eu também não sou “fitness”.
      Comece mesmo a se cuidar, isso é maravilhoso, minha mãe tem 46 e tá linda e super saudável.
      Que bom que se identificou com o texto, me conta sim, me manda um e-mail (anakelly@bloganak.com.br).
      Obrigada por vir aqui.
      Beijo

      Responder
  19. Juliana

    Parabéns, adorei o texto, e acho que o mundo deveria se encher com essas verdades. Nós temos poder, temos voz ativa e devemos usar isso para o bem, amar a si mesmo e aprender a admirar o que o outro tem de bom, sem criticas, sem inveja e sem julgar é a melhor forma de ser feliz.
    Mais uma vez parabéns!

    Responder
    1. Ana K.

      Juliana,
      Que lindo seu comentário. Obrigada.
      Promover o bem é a solução para acabar com mal. É simples, mas o ser humano complica.
      Beijos

      Responder
  20. Monica

    Muito interessante sua visão! Me fez refletir nas minhas atitudes e avaliar se não estou sendo hipócrita muitas vezes sem me dar conta.bj

    Responder
    1. Ana K.

      Monica,
      Uau que sinceridade, que bom que você se enxergou, isso é uma das coisas mais difíceis na vida. Obrigada mesmo.
      Beijos

      Responder
  21. Luana Higino

    Maravilhoso….maravilhoso o seu texto! Sou seguidora da Pugliese e vim ler o seu texto pq ela comentou no snap, pela reação q ela estava nos olhos acreditei que o texto deveria ser de uma riqueza que eu não poderia deixar de ler.
    vc conseguiu transmitir em palavras todos os meus pensamentos, que orgulho de pessoas como vc.
    Parabéns por ser tão iluminada, parabéns a sua mãe a sua avó por terem criado uma pssoa tão especial. Abraços.

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Luana,
      Falar da minha mãe e da minha avó me deixa com lágrima nos olhos. Obrigada.
      Que oportunidade maravilhosa dividir isso com vocês. Só tenho que agradecer.
      Obrigadaaa
      Beijo

      Responder
  22. Karine

    Que bom poder encontrar esse texto!
    Viver é não se preocupar com o que o outro(a) está fazendo, mas preocupar-se em viver da melhor maneira, aquela que lhe traga realizações !
    Quando vejo alguém julgando uma blogueira em postar fotos de biquíni, principalmente, quando trata-se de cidade do interior, penso: e daí? Ela é feliz assim?! E você? Está feliz?
    Pelo menos ela vive a vida da forma como quer viver! Pois, a maioria não vive preocupado com o que os outros vão pensar!
    Isso aí, vamos cada um viver nossa vida e sermos mais leves!!! Julgar menos!!!
    Parabéns pelo texto!!!

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Karine,
      Obrigada por dividir esse comentário com a gente.
      Que pensamento incrível. Parabéns.
      Buscar a felicidade, sem prejudicar ninguém e nem se importar com o que vão pensar.
      Isso deveria ser um mantra.
      Beijos

      Responder
  23. Isis

    Ah Ana, nem sei muito bem o que dizer! Apenas que o mundo todo deveria ler esse texto se orgulhar da oportunidade de aprender com vc! Obrigada por dividir sensatez com todos nós! Felicidades! Bjo

    Responder
  24. Suzane

    Que texto incrível, fiquei arrepiada,sério! Vc acabou de descrever exatamente o que eu penso. Parabéns por essa garra e não esqueça que vc é maravilhosa. Sou seguidora da Gabriela, vim Pq ela comentou no snap. Obrigada pelo texto lindo.

    Responder
    1. Ana K.

      Suzane,
      Obrigada. Que bom que você veio, que bom que pensamos o mesmo.
      Você também é maravilhosa.
      Beijo

      Responder

  25. Parabéns! Que texto…. sem palavras.
    Vim através do snap da Gabriela e me apaixonei pelo seu blog.
    Não suporto fanatismos e é muito bom encontrar pessoas como vc, guerreira, determinada mas com equilíbrio e mente aberta. Obrigada.

    Responder
    1. Ana K.

      Giselle, oi de novo.
      Obrigada viu. Você também é brilhante, mostrou isso no outro comentário.
      Beijão

      Responder
  26. Tainá M

    Mano sério, tirei meu chapéu! E te dou um conselho, nunca deixe de ser o que você é! Como vão ter pessoas pra dizer que você ta errada, que você ta se equivocando, ou que você não ta defendendo as mulheres, esquece isso e siga seu caminho. A opinião própria, e a luz própria ofuscam os que não tem coragem de brilhar, você vai incomodar, porque é isso que você faz, você brilha sua opinião e seu posicionamento, sem colocar a culpa em ninguém pelas suas atitudes!!!

    Responder
    1. Ana K.

      Tainá,
      Nossa você me emocionou com esse comentário. Obrigada, você não imagina como isso me dá força.
      Com certeza vou continuar pra merecer tudo isso que você escreveu para mim.
      Beijoo

      Responder
  27. Juliana

    Falou tudo! A minha indignação é gigantesca com tanto ódio disseminado uns contra os outros, por divergência de opinião, estilo de vida, ser magra ou não e por ai vai… Parabéns, seu texto é inspirador!

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Juliana,
      Obrigada por passar aqui e comentar.
      Precisamos de menos ódio nesse mundo né.
      Beijoo

      Responder

  28. Olá gostei muito do seu texto. me identifiquei muito com as ideias suas e da Gabi.
    Eu não sou exteriotipo de nada, sou gordinha e ainda sou deficiente visual.
    O que mais me identifico com os pensamento da Gabi é essa positividade que ela traz, a ideia de você ser feliz buscar a felicidade, ver as coisas boas da vida nas situações desfieis e principalmente se aceitar como você é.
    Ela mesma já falou que na marca de roupa dela (acho que era roupa intima) tem de todos os tamanhos do PP ao GGG então tem para todos, assim como agora a marca de roupa de ginástica.
    E acho que a coisa mais importante que ela disse é que o que importa é esta com saúde e aceitar quem você é ou correr atrás para mudar se não gosta do que vê.
    Bom melhor parar se não vou ficar falando para sempre. Mais uma vez parabéns pelo texto.

    Responder
    1. Ana K.

      Amanda,
      Obrigada por ler e fazer esse comentário tão especial.
      Seria tão mais fácil se só olhássemos o que as pessoas tem de bom como você fez.
      Quando a gente enaltece o que há de melhor, o que ruim tende a diminuir, pois é esquecido.
      Se olharmos só o ruim, isso aumenta mais e mais.
      Volte aqui mais vezes. Beijos

      Responder
  29. Tato Moniz

    Ana, vc arrasou! Sou homem e também não Odeio a Pugliesi. Acho ela o máximo e vc Tb é o máximo! Sucesso e saúde sempre!

    Responder
    1. Ana K.

      Tato,
      Aeee homens lendo e comentando.
      Obrigada.
      Sucesso pra você também.
      Beijo

      Responder
    1. Ana K.

      Luciana,
      Obrigada por ler e por comentar. Sucesso pra você também.
      Beijo

      Responder
  30. Priscila Florindo

    Guria, cheguei aqui através de um snap da Pugli, to bem, beeeem longe de ser o esse padrão perfeito que tentam nos enquadrar, tenho 33 anos, tive meu primeiro filho aos 17, e aos 21 estava tendo meu 3°, não sou gorda, mas não sou magra… Vivo brigando entre a balança e a vontade de comer aquela coxinha deliciosa. Por ter meus filhos cedo demais, coisas como estudar e ter uma profissão ficaram em segundo plano, segundo plano que eu to correndo atrás agora fazendo dois cursos técnicos de uma vez…
    Então assim, seu texto, sua história e sua visão foi um dos melhores incentivos que eu já achei pra levantar a cabeça e seguir em frente acreditando naquilo que eu penso, não no que me dizem! Linda, parabéns…

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Guria,
      Imaginei você falando,amo esse sotaque, morro de vontade de conhecer o Sul do país.
      Obrigada por vir aqui e me contar tudo isso, aquela coxinha é deliciosa mesmo e pode comer desde que a saúde e autoestima estejam em dia.
      Também fiquei 2 anos sem estudar, logo que saí desse relacionamento que falo no texto, as vezes a gente se abandona, mas o importante é saber que não há tempo perdido, sempre é tempo para novas conquistas, sempre é tempo de se superar.
      Me encontra lá no instagram (anakmeloo) pra gente compartilhar nossa evolução no processo de emagrecimento.
      Beijoooo

      Responder
  31. Natália

    Olha, eu entendo que a raiva da pugliesi é algo que te incomode, mas eu fico imaginando o tanto de meninas de 13 anos que assistem os videos, fotos e snaps dela e ficam morrendo por dentro, por não ter aquele corpo, não ter aquele homem… Ela é sim linda, maravilhosa, mas tem MUITOS erros quando o assunto é respeito ao próximo. Quando tinha ela no snapchat, ela fez alguns videos defendendo que gordx são gordxs por pura e exclusivamente preguiça! Mesmo quem tenha alguma doença, a culpa de ser gordo é sua falta de vontade.
    O mundo que ela vive é como se fosse uma bolha, onde tudo é lindo. Ah, sem contar aquele lindo post dela: se faço alguma piada sobre cebola, daqui a pouco vem a associacao das cebolas me processar.” Alguma coisa assim, mas claramente tirando sarro da luta feminista, da luta dos lgbts, dos negros e todas as outras!
    Falta um pouco de bom senso nela, empatia, dentre muitas outras coisas.

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Natália,
      Obrigada por ler e comentar aqui.
      Não cabe a nós mulheres com mais experiência mostrar para essas meninas de 13 anos que elas não precisam morrer por dentro? Por que Gabriela, Daniela, Rafaela cada uma é linda, única, especial e tem a força para conquistar o que quiser dentro de sí.
      A verdade é que se seguirmos nessa caminho de intolerância, se continuarmos nos diminuindo com falar que nós aplicamos a nossa vida, mas não necessariamente são para nós. Vamos contra a liberdade que conquistamos, humor não existirá mais, músicas então pode esquece. Não podemos falar de nada e de ninguém.
      Não concordo com esse julgamento rigoroso, não adianta.
      Mas sua opinião, assim como outras aqui é totalmente válida.
      Bjs

      Responder
  32. Viviane Oliveira

    Parabéns pelo texto, vim aqui pois a própria Gabriela indicou no snap chat dela e varias pessoas escreveram sobre esse texto no Instagram . Quero te dizer que também sou gorda, gordelicia, gordinha, … e sinceramente nao me acho feia por isso, nem mesmo tenho ódio de pessoas que perseguem o objetivo de serem magras, sou a favor que as pessoas sejam felizes e façam as coisas de acordo com sua vontade, consciente das consequências, afinal de contas gente feliz nao enche o saco! Eu acho ela um barato, super natural, simples e transparente , e como você falou, conversa e fala besteira como nos também falaríamos numa rodinha de amigas, nada demais, a nao ser o fato dela ser vigiada 24 hs por dia, e produzir matéria pra esses urubus das mídias sensacionalista, capazes de pegar trechos e tirar totalmente do contexto so pra criar mais um escândalo.

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Viviane,
      Obrigada por vir e comentar.
      Fiquei muito feliz quando vi a Gabi falando do blog.
      Concordo com você ela é muito iluminada. E a insegurança das pessoas com seus corpos não tem nada a ver com ela.
      Adorei sua opinião. Beijos

      Responder
  33. Ronan

    Excelente artigo! Incrivelmente hoje, eu estava procurando um artigo para comentar em sala de aula, Seu “problema” à cerca do tema é exatamente o que eu queria ler. Muito obrigado! sou seu FÂ

    Responder
    1. Ana K.

      Ronan,
      Wow…
      Eu é que agradeço e se você é professor, eu é que sou sua fã.
      Beijos

      Responder
  34. bia

    Muito 10 o texto!
    Pena q tem um povinho chato que ainda quer mudar a cabeça, pelo amor vai abrir você sua cabeça e par de criticar !
    Vai ser feliz e para de encher o saco!

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Bia,
      O texto é exatamente sobre essa galera né rsrsrs.
      Obrigada por ler aqui e por comentar.
      Beijão.

      Responder
  35. Gabriela Ticianelli

    Parabéns!!!!!!!!! Falou tudo e mais um pouco! AMEI! A vida é mara. A Pugli é mara!

    Beijos

    Responder
  36. Ana Paula

    Olá Ana !
    Adorei seu texto ! E quem me indicou foi a própria Pugliese ! Parabéns por tudo !
    Ana Paula.

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Ana, minha chará.
      Obrigada pela visita e pelo comentário. Fiquei muito feliz com a indicação dela.
      Beijão.

      Responder
  37. Maríndia Sel

    Linda!!! É de mulheres assim que o mundo precisa!!
    Parabéns você é maravilhosa!
    Beijão

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Maríndia,
      Obrigada por ler e por esse comentário.
      Continue vindo aqui.
      Beijo

      Responder
  38. Ana Paula

    Muito bom!
    Tbm não odeio a pugli…acho que primeiro as pessoas tem que procurar conhecer todos antes de criticar…acho ela espontânea e verdadeira…é gente como a gente….e concordo principalmente do mimimi das pessoas com outras personalidades e desse feminismo barato que tanto as pessoas discutem na internet…se isso o que fazem for feminismo também não quero fazer parte dele….

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Ana Paula,
      Obrigada por vir aqui e por comentar. Ela é uma pessoa iluminada mesmo, as pessoas julgam e tecem argumentos vazios.
      Precisamos nos expressar com a nossa verdade.
      Continue visitando o blog.
      Beijo

      Responder
  39. Camila

    Amei! Está de parabens pelo texto. As pessoas – em sua maioria – estao em falta. Falta respeito em meio a tantas ofenças gratuitas, falta preocupar-se menos com a vida do outro, falta liberdade das pessoas serem o que quiserem, falta ser feliz sem tornar a vida do outro a sua infelicidade.

    Responder
    1. Ana K.

      Camila,
      Obrigada por ler, temos mesmo que valorizar a liberdade, a nossa e a dos outro.
      Beijos

      Responder
  40. Lilian Ferreira

    Gabriela Pugliese disse sobre o texto no snap e realmente valeu muito a pena parar pra ler. Sabias palavras, parabéns e sucesso! Deus abençoe!!! 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Lilian,
      Obrigada por vir aqui conferir e pelo seu comentário. Deus te abençoe também. Beijos

      Responder
  41. Marcelle

    Oii Ana,

    Ótimo texto, muito bem colocado e reflexivo! Parabéns!!
    Confesso que até uns dias atrás eu nem sabia quem era essa tal Gabriela, porém em uma roda de bar com amigas, comecei a ouvi muito esse nome e por trás dos comentários sobre a vida dela, inspiração, etc, havia muuita frustração por parte das pessoas, até um “nossa, mas ela ganha até as frutas que come de graça”
    E depois disso não sei explicar o que senti, foi um misto de confusão com tristeza, não de ver uma mulher bonita, magra e loira fazendo sucesso mas a mensagem que é captada e a frustração das mulheres que não conseguem e nem pode pertencer aos mesmos padrões propagados. Ela ganha a vida como quiser, seja exibindo o corpo ou o que ela quiser, mas o fato é que é nesse momento que devemos enxergar a NECESSIDADE do emponderamento e falar sim de feminismo, diferente desse que ataca, que humilha e inveja, porque isso tudo que foi citado é só uma consequência de uma sociedade machista e competitiva.
    Só acho valido também citar que não é só ela que sofre esses ataques haters, por exemplo a youtuber Kéfera, que até então era uma pessoa acima do peso e hoje em dia recebe comentários horrorosos desses de quem não tem o que dizer além ofender.
    Mas ainda assim, acho que pessoas que possuem tamanho destaque e peso na vida das pessoas, devem sim pensar, na mensagem que propagam, muito além do que uma legenda que contradiz com todo um conteúdo exposto.

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Marcelle,

      Obrigada por vir aqui ler. De fato ver alguém seja quem for, recebendo sempre mais e mais pode frustrar, nós seres humanos somos falhos e bem complicados.
      Mas acredito que pessoas seguras de si sofrerão menos frustrações na vida, empoderar mulheres e as meninas que estão entregues ao mundo online é urgente. Quando conto minha história é com esse objetivo.
      Todos são responsáveis pelo que fazem e falam, inclusive quando fazem e falam alguma besteira, mas quando dizemos que lutamos contra padrões e exigimos de outros seres humanos (mesmo pessoas públicas) um comportamento sempre exemplar estamos sendo extremistas. Nós muitas vezes não conseguimos ser exemplo para os filhos ou nossas primas.
      Exigimos muito do outro e não conseguimos olhar para dentro.
      Obrigada pelo seu comentário, você é muito inteligente.
      Beijos

      Responder
  42. Lidia Santana

    Discordo do seu texto e digo mais, as moças que “odeiam” a Pugli não são as feministas, e sim, garotas machistas que acusam ela de “roubar” o homem alheio. Pelo que entendo do movimento feminista as mulheres buscam se unir a outras mulheres.

    O que me incomoda na Pugli, não é a magreza, riqueza ou boy que ela supostamente roubou de alguém e sim o fato vender um ideal irreal, de não ter formação de nada e doutrinar outras pessoas. Pode procurar opinião de profissionais de saúde sobre ela e vai entender o que eu tô dizendo.

    Só mais uma coisa, existe feminista e feminista de internet. Por favor não coloque todas no mesmo pacote, porque é injusto. O movimento feminista não apoia disputa entre mulheres.

    Responder
    1. Ana K.

      Lidia,
      Obrigada por vir aqui e comentar.
      Talvez eu não tenha conseguido te mostrar que a questão principal do texto não é a Pugliesi.
      E sim esse discurso equivocado que transforma o estilo de vida e a opinião de outras pessoas em um problema que te ofende.
      Como profissional de Marketing te falo, um profissional da saúde que ninguém conhece dá uma entrevista detonando os exercícios que a Gabriela faz e de repente fica super conhecido nas redes sociais.
      Um aviso é só Marketing.
      E sobre seu ultimo argumento, escrevi este texto exatamente para mostrar para as pessoas essa diferença. Com certeza não estão todas no mesmo pacote. Minha mãe e minha avó por exemplo.
      Beijos

      Responder

  43. Parabéns não só pelo texto, e sim por a cabeça que tem !
    A modinha do “feminismo” não é o problema em se, o problema talvez sejam algumas “FEMINISTA”
    que provavelmente, sempre foram pessoas problemáticas, que gostam de ser do contra, que julgam e criticas padrões de preferencia, talvez por não conseguirem alcança-los (muito cômodo né ? Se eu quero e não consigo, falo mal que ta tudo ok ! melhorem !) Agora na moral, se não gostam de pessoas que seguem o “padrão”, deixem de mão, esqueçam e vivam suas vidas, afinal , não é isso que importa ? Não já entenderam como é a “VIDA” , vivam a de vocês, e não percam seu tempo com as outras, que que vocês tem haver com a vida alheia mesmo ? Em fim é isso.
    Parabéns pelo texto Ana, e te achei linda , beijos

    Responder
    1. Ana K.

      Marcelo,
      Obrigada por ler e comentar aqui.
      Precisamos mesmo olhar mais pra nós do que para os outros.
      Obrigada pelo elogio.
      Beijos

      Responder
  44. Édula

    Ana vc é foda é maravilhosa…. E eu quase pulei aqui do 4 andar quando li isso!!!!!!!
    Só não te dou um beijo na boca, pq vc tá longe!!!!
    Foda foda…..esses dias eu falei isso e quase apanhei das “mulheres a minha volta” e eu falei exatamente a mesma coisa que vc… Ai como tô orgulhosa de mim agora, meu exemplo é minha vó, minha mãe…. Mulheres que agarram o boi pelo chifre!!!! Guerreiras batalhadoras…não essas mimimi que ficam falando mal dos outros na Internet!!!! Bju lindosa maravilhosa

    Responder
    1. Ana K.

      Édula,
      Menina…
      Não pule não. Se controla aí. Dá um grito hahahahaa.
      Só pelo comentário já vi que você é das minhas, vai pra cima.
      É isso aí e não mude o discurso não, continue falando pra que elas entendam.
      Obrigada por vir aqui.
      Beijooo

      Responder
  45. Clara

    Eu simplesmente amo este texto seu. É tudo exatamente como penso… como sempre tentei e não consegui expressar. Sempre que me lembro, venho aqui e dou uma lidinha nele. Beijos

    Responder
    1. Ana K.

      Oi Clara,

      Que bom que esse texto faz você voltar por aqui. Eu também sempre releio, é muito importante para mim.

      Beijos

      Responder
  46. Carla

    Ana, eu não entendo pq as pessoas criticam tanto a Pugli, ela é tão verdadeira ao falar… Adoro a Pugli! Bjs

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *